Petroleiras e siderúrgicas são destaque de alta da bolsa; aéreas seguem pressionadas

SÃO PAULO – Nesta segunda-feira (29), a bolsa brasileira recuperou parte da queda vista no último dia da semana passada, quando o anúncio da identificação da nova variante da Covid-19 assustou o mercado. Investidores, porém, continuam atentos às publicações sobre a doença e de olho nos setores que estão mais expostos ao avanço da Ômicron, como o de aviação, o de turismo e o de commodities.

Todas as três áreas são muito ligadas à retomada econômica e à reabertura das fronteiras mundo afora. A perspectiva de novos lockdowns e restrições, então, foi responsável por fazer – na última sexta-feira – as ações preferenciais da Azul (AZUL4) recuarem 14,1% e as ordinárias da PetroRio (PRIO3), 8,74%.

Hoje, o setor de petróleo apresentou boa recuperação e a PetroRio recuperou parte do seu valor de mercado perdido, fechando em alta de 3,42%. Enquanto isso, as ações da Petrobras (PETR3);PETR4) saltaram 3,98% e 3,51%.

A Azul, porém, não apresentou o mesmo comportamento e a sua alta foi bem mais modestas: as ações PN tiveram alta de apenas 0,82%.

Aéreas continuam pressionadas

“O mercado hoje está em recuperação daquilo que foi, de acordo com o próprio mercado, uma reação exagerada à nova variante. A reação é exagerada, porém, até a segunda página. Se novos dados mostrarem que a Ômicron é mais grave e perigosa, veremos novamente um sell-off”, comenta Rodrico Franchini, sócio da Monte Bravo Investimentos.

Segundo ele, a pressão deve continuar até o mercado ter acesso a novos dados sobre a variante. “Temos de esperar novas informações para ver se faz sentido essa correria para sair de certos papéis e de ativos de risco”, pontuou. “As aéreas não têm jeito. O que era um setor que tinha um potencial de volta, com um upside interessante, agora volta a sofrer com as restrições”, completou.

A despeito de novas notícias apontando que a Ômicron pode ter sintomas mais brandos do que outras variantes, apesar de mais transmissível, não houve nesta segunda recuou quanto ao bloqueio de voos já impostos para conter o avanço da doença – países como os EUA, o Reino Unido e até mesmo o Brasil já proibiram, por exemplo, seus translados com cerca de sete países africanos.

“No Brasil, há ainda a questão da Azul ter feito uma oferta pela Latam. A Latam fazendo um plano bilionário de recuperação judicial. Então há também os ruídos que acabam atrapalhando o setor. O movimento não é só por conta da Covid-19″, explicou o sócio da Monte Bravo.

As ações PN da Gol (GOLL4), que caíram 11,71% na sexta, diferentemente das da Azul, hoje, conseguiram um alta mais relevante, avançando 3,45%. As ações ON da CVC (CVCB3), que despencaram 11,07% na sexta, tiverem novo recuo nesta segunda-feira, de 2,68%.

Commodities têm “respiro técnico”

As companhias de commodities, como já mencionado, tiveram altas mais relevantes no pregão de hoje. Além da PetroRio, a Usiminas (USIM5) foi destaque do lado positivo do Ibovespa, fechando em alta de 6,11%.

No setor de petróleo, a alta das companhias acompanhou a recuperação da commodity. Os contratos do petróleo WTI para janeiro fecharam em alta de 3,23%, com o barril negociado a US$ 70,35. O Brent subiu 0,65%, a R$ 73,19.

Notícias como a de que o presidente Joe Biden descartou novos lockdowns nos Estados Unidos e de que a Opep irá rever sua política de aumento da produção do petróleo ajudaram a impulsionar o preço, que avançou – mas que ainda está muito distante do seu patamar de duas semanas atrás.

“Hoje tivemos um respiro técnico, com óleo e minério subindo, fazendo as companhias do setor serem destaques do Ibovespa”, comentou César Mikail, gestor de renda variável da Western Asset.

O minério fechou em alta de 6,83% em Qingdao, a US$ 103,27 a tonelada, recuperando totalmente a baixa de sexta. Em Dalian, avanço foi de 4,77%, a US$ 96,27.

O gestor ainda apontou que, na sexta, boa parte das quedas se deu também porque boa parte dos índices de países desenvolvidos – os dos EUA, por exemplo – estão próximos a suas máximas históricas. “Qualquer notícia, mesmo que não seja ‘tudo isso’, acaba se magnificando, porque o mercado está comprado. Qualquer ruído tem um movimento forte de correção”, explicou.

E, segundo ele, essa volatilidade, que gera grandes baixas, continuará até o Federal Reserve e outros bancos centrais optarem por elevarem os juros.

Companhias de tecnologia, por outro lado, podem se beneficiar de nova crise

Se a crise causada pela Ômicron se tornar mais séria, porém, algumas companhias podem acabar se beneficiando do novo cenário. “Quando você tem essa nova variante, temos também a perspectiva de novos estímulos fiscais e de juros mais baixos. Se isso se consolidar, deve aliviar um pouco o mercado de juros em países de primeira linha, o que costuma, por exemplo, impulsionar empresas de tecnologia”. comentou Franchini. 

Nesta segunda-feira, alguns papéis de companhias brasileiras deste setor foram destaque. A Locaweb (LWSA3) e a Méliuz (CASH3), por exemplo, figuraram entre as principais altas, subindo, respectivamente, 6,77% e 3,46%.

Bruno Komura, analista de renda variável da Ouro Preto Investimentos, aponta ainda que as empresas de concessões também podem ter um alívio com o arrefecimento da alta dos juros.

Crise da Ômicron liga sinal de alerta para vários setores

Além de commodities e companhias aéreas, o gestor da Ouro Preto Investimentos afirma que é necessário se atentar para a dinâmica de vários setores. “No caso de uma nova crise, setores como o varejo de vestuários devem ficar para trás, uma vez lockdowns fazem a demanda cair, bem como as companhias com mais exposição ao canal de lojas físicas”, explicou.

A Ômicron se tornou uma variável importante neste momento para como o mercado desempenhará no futuro próximo. Gestores e analistas devem, então, continuar monitorando as próximas notícias dessa nova mutação do coronavírus.

Quer sair da poupança? Em curso gratuito, especialista em renda fixa da XP mostra como receber até 200% acima da poupança tradicional, sem abrir mão da simplicidade e segurança!

The post Petroleiras e siderúrgicas são destaque de alta da bolsa; aéreas seguem pressionadas appeared first on InfoMoney.

Compartilhe